Nome Waldorf

Rudolf Steiner após o final da primeira guerra mundial lançou as bases da trimembração do organismo social para a restruturação de uma Europa devastada. Sem muita repercussão na sociedade e classe política da época ele concluiu que o caminho seria educar as crianças de forma diferente. A partir de um interesse de Emil Molt em levar conhecimento aos seus  funcionários, Rudolf Steiner fez uma série de palestras a eles. E não demorou muito para que surgisse a pergunta formulada novamente por Emil Molt de como poderia educar os filhos dos funcionários. Rudolf Steiner entusiasmado com a pergunta lançou as bases para uma nova pedagogia, e Emil Molt a primeira escola para aplicá-la.

Em 7 de setembro de 1919  é fundada a primeira “Escola Waldorf Livre” em Stuttgart, o nome Waldorf já era conhecido como uma localidade alemã (grafada como Walldorf – com um “l” a mais) e como o império econômico Waldorf-Astoria iniciado por Johann Jakob Astor. Emil Molt comprou os direitos comerciais do nome para fundar uma fábrica de tabaco em Stuttgart.

Aos poucos as escolas foram se multiplicando por cidades da Europa e América do Norte até atingirem os 5 continentes. Dados do Freunde der Erziehungskunst Rudolf Steiners (amigos da pedagogia de Rudolf Steiner) de 2016 mostram que são 1080 escolas Waldorf no mundo além de cerca de 2000 jardins de infância.Eles são um organismo espiritual, social e economicamente independente, mas tem o ponto em comum de aplicar uma educação para a liberdade que somente a pedagogia Waldorf consegue levar com tanta abrangência no que se refere a uma postura de vida que se amolda às questões sociais, econômicas e culturais de cada lugar onde germina. Tantos centros educacionais e quase 100 anos de existência fizeram do nome Waldorf uma referência na área de educação.

No Brasil a primeira escola foi fundada em 1956 com o nome de Escola Higienópolis, hoje Escola Waldorf Rudolf Steiner e da mesma forma é um movimento que não para de crescer. Este dinamismo levou a um grande passo que foi a criação da FEWB – Federação das escolas Waldorf no Brasil – em 1998, reunindo todas as escolas brasileiras em um só movimento. Atualmente são mais de 70 escolas e jardins filiados e um número crescente de novas iniciativas que se espalham por todas as regiões brasileiras.

O termo “Waldorf” já é sinônimo de uma forma particular de ensino largamente conhecida e principalmente de um estilo de vida próprio. Mais do que um adjetivo, a palavra mostra a força de determinar que coisas e atos se encaixam nela. O que leva cada vez mais ao cuidado de preservá-lo como patrimônio de um ideal que o ser humano quer atingir, gerando confiança e interesse.

Cada vez mais será necessário cuidar do nome “Waldorf” para que tentativas do uso indevido do nome não ocorram. No Brasil os responsáveis legítimos do nome são a FEWB e a Associação Pedagógica Rudolf Steiner para que não ocorra uma apropriação arbitrária e indiscriminada.

As instituições autorizadas a usarem nome Waldorf são os jardins, escolas, instituições Sociais, Cursos de formação aprovados pelo Conselho das Formações e cursos Superiores. Todos credenciados e filiados conforme diretrizes do estatuto da FEWB.

Novas iniciativas serão denominadas “Iniciativas Waldorf em Formação” desde que mantenham a sua documentação rigorosamente em dia, contato constante com a  FEWB e sejam orientadas pela mesma para iniciarem os procedimentos de filiação. Nesta fase ainda não se poderá incorporar "waldorf" ao nome da Escola ou da Associação. Também não poderá usar em mídias eletrônicas, fachada da escola, etc. 

 

Para grupos germinais, escolas que se inspiram na Pedagogia Waldorf e escolas desfiliadas pela FEWB, está vedado o uso do Nome Waldorf em fachadas das escolas, material de propaganda, mídia eletrônica (site, e-mail, blogs, página do Facebook, etc), nome da instituição, nome da mantenedora jurídica. Somente podendo entrar em seus documentos pedagógicos o termo “inspirados na Pedagogia Waldorf”.